CONFIES Mesa 01- REDUZIDO

Encerra hoje (28.04) o Encontro do Colégio de Procuradores do Confies - Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica, em São Luís. Pela primeira vez, a capital maranhense sedia o evento e tem a Fundação Sousândrade como anfitriã. Dezenas de profissionais da área jurídica reuniram-se durante dois dias para tratarem de temas de interesse das Fundações, como o Código de Autorregulação. O presidente do Colégio de Procuradores do Confies, André Feofiloff, avaliou como muito positivo o encontro, pois conseguiram concluir todas as 21 questões que faltavam, do total de 30, para a conclusão do Código.

Além do presidente do Colégio, André Feofiloff, a abertura do evento contou com a presidente da Fundação Sousândrade, Evangelina Noronha, o presidente do Confies,  Fernando Peregrino, o  representante do Ministério Público do Estado, César Veiga, e o assessor jurídico da Fundação Sousândrade, Laplace Passos. 

Evangelina Noronha (abaixo) deu as boas vindas a todos e disse tratar-se de um momento ímpar, devido à oportunidade de serem discutidas questões importantes para todos. “Estamos honrados por este evento estar sendo realizado na Fundação Sousândrade. Nós, presidentes, nos sentimos acolhidos por vocês”, disse ela.

CONFIES Profa COMPACTADO

 

VITÓRIA NO STF- O presidente do Confies, Fernando Peregrino (abaixo), iniciou sua fala comemorando a vitória do Confies da última quarta (26 ), por 9 votos a 1, no Supremo Tribunal Federal  (STF). O Supremo decidiu que as universidades púbicas podem cobrar mensalidade por cursos de pós-graduação lato sensu, ou seja, cursos de especialização e os chamados MBAs (Master Business Administration).

CONFIES presidente confies chegando

“Foi uma luta politica, jurídica e que uniu 12 entidades em favor da ciência, como a SBPC, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. O Confies passou a ser reconhecido pelo STF, a ser credenciado”, disse ele. “O Maranhão está de parabéns por receber o primeiro evento após a vitória. Hoje é o dia de comemorarmos!”.

CONFIES andré e peregrino 2

MINISTÉRIO PÚBLICO- Na opinião do assessor contábil, César Veiga, que na oportunidade representou o MP, o evento é importante para esclarecer que a exigência desse Ministério é sobre a prestação de contas das Fundações, mas que existem outras demandas além da fiscalizatória. “O Ministério Público é o elo entre as atividades das Fundações e a sociedade. Somos parceiros e estamos aqui para crescer com vocês”, disse Veiga. “A Fundação Sousândrade tem grande credibilidade no Maranhão. Reconhecemos a importância de todas as Fundações e só queremos que todas continuem cumprindo seu papel social”, completou.

De acordo com o assessor jurídico da FSADU, Laplace Passos, o evento formatado em estudo de grupos deu agilidade aos trabalhos. “Nosso objetivo é analisar as dificuldades das Fundações e estabelecer padrões de comportamento com boas práticas”, explicou Laplace. 

CONFIES Grupo 01- REDUZIDO

CONFIES Grupo 02- REDUZIDO

Grupo 03 compactado

 

 

OUÇA O PROGRAMA QUALIFICAR, na Rádio Universidade FM- 106,9

 

Notícias da edição de 24.04.17

Entrevista com pró-reitor de Ensino do IEMA- Elinaldo Soares. Em pauta: parceria entre Iema e Fundação Sousândrade oferece cursos de Árabe, Chinês e Russo

Educação básica: Parfor e Proeb formam mais de 4.000 professores com suporte técnico da FSADU

FSADU integra parceria de certificação para gestão do Selo Unicef na Amazônia Legal

 

CLIQUE AQUI PARA OUVIR

Qualificar arte Programa Rádio Uniiversidade

 

PROGRAMA QUALIFICAR

Veiculação: Segunda-feira (quinzenal)

Horário: 17h50 às 18h

BANNER COLEGIO PROCURADORES

Na próximas quinta e sexta (27 e 28), a Fundação Sousândrade sediará o Encontro do Colégio de Procuradores do Confies - Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica. O evento é aberto aos advogados, assessores jurídicos e procuradores das Fundações de Apoio.

Serão discutidos temas de interesse das fundações, como o Código de Autorregulação, a atualização do Caderno de Orientações em vista do Marco Legal de CT&I, o projeto do novo Decreto Regulamentador da Lei de Inovação, dentre outros.

 

INSCRIÇÕES: CLIQUE AQUI

 

CONTEÚDO DO ENCONTRO 

1. Fundação que tem no estatuto Ciência e Tecnologia é considerada uma ICT;

2. As Despesas Operacionais e Administrativas poderão ir até 15%;

3. Criação de fundos para receber receitas da IFES de projetos abrangidos pelo Marco Legal;

4. Simplificação da importação, desembaraço, expedição de LI, prazo de 48 horas para liberação do bem, etc;

5. Contratação de RH (CLT) pela Fundação para apoiar programas de pesquisa;

6. Ratificado o item de bolsas sem imposto para qualquer modalidade de acordo;

7. PC simplificada e por resultado;

8. Clausula especifica para cobrança do Capital Intelectual;

9. Transposição de rubricas sem necessidade de autorização previa, mas com justificativa na Prestação de Contas;

10. O SICONV foi excluído do Decreto;

11. As agências reguladoras e as concessionárias, inclusive as sociedades de economia mista estão compreendidas por essa legislação;

 

LEI DE TERCEIRIZAÇÃO

LEI Nº 13.429, DE 31 DE MARÇO DE 2017 – Altera a Lei nº 6.019/74

1. Principais pontos;

2. O que muda para as FA´s

3. Preocupações.

 

CÓDIGO DE AUTORREGULAÇÃO

Alguns itens:

1. DOA. Como se calcula a DOA, que custos cobre, como se demonstra e qual o seu limite de valor (15%) .

2. CONTRATO. Quando se aplicam? Por que não se promove o contrato para se adquirir uma pesquisa?

3. CONVÊNIO. Convênio ECTI. Decreto 8240. O que são convênios ECTI? Quando se aplicam?

4. TAXA. Quando se aplica? Limites.

5. BOLSAS. Bolsa para servidor, bolsa de estudante e bolsa de inovação, quando se aplicam, restrições, valores máximos, acumulação de bolsas;

6. ORÇAMENTO FLEXÍVEL. Plano de Aplicação Flexível, adoção de macro rubricas para controle do projeto, transferência de rubricas sem autorização prévia, restrições.

7. AVALIAÇÃO POR RESULTADO. Avaliação por resultado versus avaliação contábil, quem preside quando divergirem;

8. ENCARGOS E BENEFICIOS. Responsabilidades dos projetos com os Encargos e Benefícios dos contratados;

9. IMPORTAÇÃO. Despesas acessórias para Importação, limite, flexibilidade e como comprová-la;

10. APOIO A PROGRAMAS E PROJETOS. Apoio regular das fundações a programas e projetos de inovação das IES inclusive na manutenção e operacional da infraestrutura correspondente de pesquisa;

11. SICONV. é ou não para projetos de P&D&I;

12. FUNDOS. Fundos para receitas de projetos de P&D&I;

13. LEI 13.019/2014. As fundações e a exclusão da Lei 13.019/2014

14. CREDENCIAMENTO. Credenciamento da FA, como obter ele de forma simplificada;

15. TRANSPERENCIA. Transparência mínima da FA, quais os critérios que devem servir para avaliar o grau de transparência da FA;

16. ISENÇÃO. A Fundação de Apoio é imune/isenta?

17. FORÇA DE TRABALHO. O que é considerado como 2/3 da forca de trabalho no projeto para efeito do Decreto 7423/10;

18. REMUNERAÇÃO DOS DIRIGENTES. Os dirigentes das Fundações podem ser remunerados na qualidade de gestor executivo?

19. DIÁRIAS. É possível pagar diárias para profissionais sem vínculo empregatício com a Fundação?

20. COMPRA. Como obedecer aos princípios constitucionais sendo uma instituição de direito privado?

21. CONTRATAÇÃO CLT. Como se dará a contratação de pessoal para atuar nos projetos geridos pelas Fundações de Apoio? Há necessidade de seleção? Um banco de curriculum pode ser um instrumento de seleção?

22. QUOTAS SOCIAIS. Com relação às quotas (deficiente, menor aprendiz...), qual o critério a ser utilizado para seu cômputo, considerando-se que o CNPJ de contratação é único, mas cada projeto é executado separadamente?

23. INEXIGIBILIDADE. É possível a contratação da Fundação de Apoio por dispensa ou inexigibilidade de licitação por outras instituições que não a IFES/ICT apoiada?

24. FUNDAÇÕES ESTADUAIS. O atual credenciamento do MEC/MCTIC se aplica as IES estaduais e municipais? Nos estados onde não há lei para fundações de apoio, se aplica a Lei 8958?

25. NORMA PRÓPRIA. Requisitos mínimos que devem conter a Norma Própria de cada IFES ou ICT para regulamentar a sua relação com as Fundações de apoio;

26. CAPTAÇÃO DIRETA DAS RECEITAS. Como geri-las.

 

ATUALIZAÇÃO DO CADERNO DE ORIENTAÇÕES EM VISTA DO MARCO LEGAL DE CT&I

Atualização em vista do Marco Legal de CT&I e incremento dos pontos segundo objetivos do Código de Autorregulação.

 

INSCRIÇÕES: CLIQUE AQUI

 

Banner Guarnicê portal

Mais uma vez a Fundação Sousândrade apoia o Festival Guarnicê de Cinema, realizado em São Luís (MA), que chega à sua 40ª edição este ano. Há mais de duas décadas a FSADU é parceira deste evento, que é o quarto mais antigo Festival de cinema do Brasil. Em 2017, o evento será realizado no período de 02 a 10 de junho, e a organização já divulgou a lista dos 38 filmes selecionados dentre aproximadamente 400 inscritos.

 

A diretora do Departamento de Assuntos Culturais (DAC) da Universidade Federal do Maranhão e coordenadora do Festival, Fernanda Pinheiro, adianta que as sessões dos longas-metragens, curtas e da mostra maranhense devem ser apresentadas em seis locais da cidade. Três já estão confirmados: Teatro Alcione Nazaré, Teatro da Cidade e Cine Praia Grande. A competição foi aberta para produções de todo o país. Para compor a equipe que analisará os filmes, estão sendo esperados três jurados de renome nacional.

 

Segundo a coordenadora, os bons filmes maranhenses que ficarem de fora da mostra competitiva terão a oportunidade de serem exibidos na mostra maranhense. “Tudo está sendo planejado para incentivarmos a produção local. E este ano temos o diferencial de comemorarmos os 40 anos do Festival. São muitos detalhes para a infraestrutura e, por isso, a gestão financeira da Fundação Sousândrade é fundamental”, analisou Fernanda Pinheiro. 

 

CLIQUE AQUI para ver a relação completa dos filmes selecionados.

 

 Acompanhe as notícias do Festival Guarnicê de Cinema em: www.cultura.ufma.br/40guarnice

 

banner transporte

 

OBJETIVO GERAL

Formar, em nível de pós-graduação lato sensu, gestores que atuem em planejamento urbano, transportes e mobilidade, visando ampliar seus conhecimentos sobre a docência nesse campo, bem como a capacidade de reflexão, análise e desenvolvimento de projetos voltados para a melhoria da qualidade de vida, do fluxo de carga e de pessoas.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Oferecer conhecimentos sobre a prática de gestão de sistemas de transporte;

•Transmitir uma visão técnica e integrada da mobilidade urbana;

•Abordar as características de cidades sustentáveis e inteligentes.

 

PÚBLICO ALVO

O curso destina-se a engenheiros, arquitetos, geólogos, geógrafos, economistas, administradores, gerentes, executivos e demais profissionais graduados que atuam ou desejam atuar nas áreas de Gestão da Mobilidade e Engenharia de Transporte, possuidores de diploma de curso superior.

 

METODOLOGIA

O Curso está baseado em aulas expositivas dialogadas, metodologias ativas de aprendizagem e utilização de laboratórios de informática. Está organizado em 18 disciplinas mais a orientação do trabalho de conclusão do curso, num total de 360h,  a serem trabalhadas em 18 meses de aulas e mais 3 meses para o desenvolvimento e conclusão do TCC.

O desenvolvimento do curso se dará da seguinte forma: cada disciplina/sala terá um encontro presencial mensal com aulas às sextas-feiras a noite, sábado o dia inteiro e domingo de manhã. Totalizando 20 horas em cada disciplina, sendo ao todo 54 encontros. Os Encontros presenciais visam possibilitar uma melhor interatividade do aluno com o professor, fomentando o debate teórico e prático da disciplina. 

O trabalho de conclusão de curso deverá ser resultante do projeto de investigação, em forma de um artigo científico, que será desenvolvido ao longo do curso. O projeto de investigação deverá ser individual, produzido e desenvolvido a partir da prática de cada aluno e de temas atuais e relevantes.


VALOR

INSCRIÇÃO

R$ 40,00

MENSALIDADES

21 x R$ 550,00

Após efetuar o pagamento da Taxa de Inscrição, o(a) candidato(a) deverá entregar, para fins de matrícula, os documentos listados abaixo.

ORD

DOCUMENTOS

01

Cópia do diploma de Graduação expedido por Instituição de Ensino Superior (IES) e reconhecido pelo Conselho Nacional de Educação (CNE)

02

Cópia do Histórico Escolar de graduação

03

Cópia do Documento de Identidade oficial

04

Cópia do CPF

05

Cópia do comprovante de residência

06

Cópia do comprovante de pagamento da Taxa de Inscrição

07

1 Foto 3x4 colorida e recente

08

Currículo Lattes ou Vitae

 

PREVISÃO DE INÍCIO

Maio de 2017

 

 

 

 

 

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

MESES DISCIPLINA
1 Metodologia I
2 Gestão de Projetos
3 Sustentabilidade
4 Transporte Marítimo
5 Transporte Rodoviário
6 Transporte Ferroviário
7 Planejamento de transportes
8 Regulação
9 Gestão da Mobilidade Urbana
10 Transporte Público
11 Engenharia de Tráfego
12 Transportes, Mobilidade e Meio ambiente
13 Segurança no Tráfego
14 Urbanismo, Planejamento e Gestão de Cidades
15 Gestão de Pessoas
16 Cidade Inteligentes
17 Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos
18 Metodologia II

 

Pagina 1 de 20

Back to Top