fbpx
Procurando por algo?

Iema e SVT Faculdade criam Cátedra Gonçalves Dias

Com o objetivo de promover projetos, estudos e pesquisas relativas à realidade e problemas sociais do Maranhão, Nordeste e Brasil que o Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) e a SVT Faculdade firmaram um convênio de criação da Cátedra Gonçalves Dias, na última sexta (9), no auditório da reitoria do Iema.

Além de fomentar a produção de pesquisas nas áreas literária e socioeconômica, a Cátedra pretende promover a integração entre a comunidade acadêmica com as políticas públicas. Outra finalidade é a de resgatar a obra do poeta Gonçalves Dias até o seu bicentenário em 10 de agosto de 2023.

De acordo com o reitor do Iema, Jhonatan Almada, a iniciativa é ousada porque vai de encontro com o cenário nacional que tem minimizado a importância da educação. “Esta é uma parceria institucionalizada pelo Iema e pela SVT Faculdade com o objetivo de promover o desenvolvimento de estudos, pesquisas e eventos para a preservação da memória intelectual de Gonçalves Dias, a difusão e divulgação de sua obra e, ao mesmo tempo, a produção de novos estudos e pesquisas.”

Para o estudioso português Carlos Rodrigues, que foi convidado para participar da solenidade, uma Cátedra é um elemento fundamental em termos de educação por disseminar o conhecimento. “O conhecimento é algo que, se não for compartilhado a nível mundial por todos aqueles que o produzem, não terá utilidade nenhuma. O conhecimento serve para que a humanidade se desenvolva cada vez mais, e isso é um objetivo a alcançar e, sobretudo, para os mais novos terem uma vida muito melhor do que aquela que encontraram quando aqui chegaram”, frisou.

“Considero que a Cátedra é extremamente relevante porque, além do ensino, é fundamental para investigação e produção científica e tudo tem a ver com a produção cultural e seu desenvolvimento é crucial, sobretudo no investimento no jovem, como é feito em uma instituição como o Iema que aposta naquilo que é mais importante”, destacou a também estudiosa portuguesa Ana Campina.